Vitrine Online, a melhor informação !

OPINIÃO – O BRASIL SE TORNOU UM PAÍS SEM PÉ NEM CABEÇA

vertigem

As imensas farras com o dinheiro público, feitas por agentes do alto escalão do Governo Federal, senadores, deputados e empresários, sobretudo do setor de construção, abriram uma imensa conta a ser paga…pelo povo brasileiro. É sempre o povo que suporta as pesadas e até mesmo insuportáveis, como na atualidade, cargas produzidas pela inescrupulosa e despudorada ganância ilimitada de poderosos, que existem exatamente porque o povo assim os tornam, com os seus votos.

Por tudo que se sabe e se vê pelo noticiário, o Brasil hoje se tornou um país, como diriam os romanos nec caput nec pedes (habet), ao pé da letra, sem pé nem cabeça, ou seja, um lugar que não faz sentido, referindo-nos aqui aos atos do Executivo e do Legislativo. Pior, ainda, como acrescentava Catão, referindo-se a um episódio do seu tempo, o País também perdeu ou está perdendo seu coração, ao destruir o senso de dignidade e de respeito que a nação precisa ter como tal.

Estão jogando impiedosamente a montanha de lixo ou de lama acumulada sobre as costas dos brasileiros, e danem-se! O Governo Federal não cumpre suas finalidades em todos os setores de suas competências, seja na área da saúde, da segurança, da educação, do emprego [agora, são 13,5 milhões de desempregados], da economia, etc. Falta-lhe até mesmo credibilidade popular, como atestou uma recente pesquisa sobre o índice de desaprovação do governo.

A malfalada reforma da previdência e a lei da terceirização são como duas nuvens sombrias pairando sobre milhões de brasileiros, gerando insegurança quanto ao futuro, com a quebra de leis antes em vigor. O deputado Arthur Oliveira Maia (PPS-BA), um personagem rechonchudo e de cabelos brancos espetadinhos é o relator da reforma da previdência. Ele já adiantou que quer porque quer que a idade mínima para aposentadoria de homens e mulheres sejam 65 anos.

Se fossemos um país do primeiro mundo, já nem mencionamos a Noruega, porque se encontra numa distância de anos-luz de nós em qualidade longeva de vida, talvez pudéssemos alcançar tal idade sem os agravos físicos e psíquicos provocados por uma vida de trabalho em geral insalubre e sofrida, sem assistência de qualidade à saúde, uma legião de subnutridos, já desde a infância, com o desemprego largado que, além de humilhante, submete as pessoas à baixa qualidade de vida. E, claro, falta de conhecimento e de educação que parecem não interessar aos sucessivos governos brasileiros.

É triste ver o país assim, sem pé nem cabeça, com autoridades despreparadas para a função e sujeitas ao sórdido jogo político de grupos que só fazem o que é do seu interesse e não o da nação brasileira. (Carlos Rossini)

 

 

Comentários