Vitrine Online, a melhor informação !

VITRINE ONLINE PERCORRE 18 KM DA ESTRADA DO VERAVA E CONSTATA O ÓBVIO: UMA VERGONHA!

Parte da população ibiunense revelou nas redes sociais um sonho de Natal: gostaria de ganhar de presente o conserto da Estrada do Verava, símbolo de décadas de administrações públicas no mínimo displicentes pelo estado em que se encontra e que pode atender pelo título moral de “vergonha”.

Essa situação, no entanto, deverá, finalmente, começar a mudar a partir de janeiro próximo, quando a Sabesp, dando cumprimento a promessa feita, iniciar os reparos que preveem três condutas: um trecho será totalmente refeito, com asfalto de 13 cm e mais resistente; um trecho será recapeado; e, finalmente, outro trecho receberá serviços de tapa-buracos de melhor qualidade, segundo explicou a vitrine online o prefeito João Mello, que acertou os reparos pessoalmente com a direção da Sabesp.

“Infelizmente, recebemos essa situação resultado do abandono da estrada e do tráfego pesado, mas estamos tomando todas as providências para que esse aflitivo problema tenha logo um desfecho positivo”, declarou João Mello à vitrine online.

INSTRUMENTO DE TORTURA

Na realidade, constatamos que não se trata de uma estrada, mas um instrumento de tortura para os motoristas, de perigo e destruição de veículos. Literalmente, os veículos – caminhões, automóveis, motos, ônibus têm que andar em ziguezagues para escapar dos buracos, uma missão quase impossível, porque são muitos em um asfalto tipo “casca de ovo” [fora dos padrões exigidos para resistir ao tráfego].

Essa via, objeto de ações populares como diversos bloqueios para chamar a atenção das autoridades para adoção de providências [um deles, em 2013, foi coberto por vitrine online nas proximidade de Furnas sem surtir nenhum efeito prático – a prefeitura mandou para lá integrantes da GCM e o secretário da Segurança Pública da época para dissuadir os manifestantes] atingiu seu auge em degradação depois que caminhões pesados utilizados para transporte de materiais do Consórcio Construtor do Sistema São Lourenço a destruíram, de acordo com insistentes queixas da população local.

NÃO TEM ESCAPATÓRIA

O desafio para todos os motoristas que transitam pela Estrada do Verava foi enfrentado por vitrine online, que, mesmo tentando desviar dos buracos, caiu em pelo menos dois que se não comprometeram a suspensão [o que ainda deverá ser verificado tecnicamente] deu um baita susto em seus ocupantes. Estava chovendo no momento e os buracos-armadilhas estavam cobertos de água barrenta.

Um caminhão que seguia em nossa frente ziguezagueava perigosamente pela estrada e sacudia porque se escapava de alguns caia em outros buracos, assim como faziam motoristas de automóveis, o que eleva o nível de perigo para quem trafega por ali.

O tempo de ida e volta do percurso de dezoito quilômetros foi de aproximadamente uma hora e meia, devido à chuva, aos buracos e ao próprio trânsito lento. Esse tempo é suficiente para um avião fazer o trajeto de São Paulo a Brasília ou mesmo, em um automóvel, sair de Ibiúna e chegar a São Paulo, numa distância aproximada de setenta quilômetros.

Repetimos que a condição dessa estrada decorre de décadas de abandono por parte de autoridades que, eleitas pela população viram as costas para fatos que requerem providências efetivas que são deixadas de lado, até que ficam insustentáveis.

DEVER MORAL

Os transtornos provocados à população do Verava e região pelas obras do Consórcio Construtor do Sistema São Lourenço contratado pela Sabesp para captar água na represa do França e abastecer diversos municípios da região metropolitana de São Paulo são notórios, principalmente pela destruição provocada na estrada.

Se não tem obrigação jurídica de fazer os devidos reparos dos estragos que causou, como se cogitou, a Sabesp tem no mínimo dever moral de fazê-lo, já que de alguma forma causou o problema.

Esse aspecto foi claramente admitido pelo presidente da Sabesp, Jerson Kelman, em conversa com o prefeito João Mello, estando ambos ao lado do governador Geraldo Alckmin, durante visita ao às obras do centro produtor nos limites de Ibiúna e Juquitiba. Kelman admitiu ao prefeito de Ibiúna que “a Sabesp não poderia deixar de atender aos reclamos da população pelos transtornos causados”.

Desse modo, finalmente o sonho da população do Verava deverá ser realizado, assim como a duplicação da rodovia Bunjiro Nakao que teve ontem (21) a assinatura da ordem de serviço do governador Geraldo Alckmin autorizando o início das obras em janeiro próximo. (Carlos Rossini)

 

 

Comentários