Vitrine Online, a melhor informação !

FROTA DE VEÍCULOS TRIPLICA EM IBIÚNA EM CATORZE ANOS; NÚMERO DE MOTOS SETUPLICA; ACIDENTES TAMBÉM CRESCERAM

A frota de automóveis em Ibiúna aumentou 332% nos últimos catorze anos. Dos 7.336 existentes em 2000 saltou para 22.088, até o dia 28 de agosto de 2014. Triplicou. Esta é uma das razões por que já existem congestionamentos nas ruas centrais, como XV de Novembro, Pinduca Soares e em outros diversos pontos. O crescimento mais surpreendente foi o número de motocicletas: saltou de 1.146 para 8.365, no mesmo período – 1.367%. Setuplicou. Isto explica também o aumento na quantidade de acidentes de trânsito com os veículos de duas rodas. Virou cena frequente a chegada, sobretudo de jovens, feridos no Hospital Municipal.

A frota de caminhões teve um acréscimo de 54,6%, pulou de 1.314 para 2.403. Não estão inclusos nessas informações o segmento de tratores e reboques. A Diretoria de Trânsito do município que integra a Guarda Municipal, que forneceu os dados relativos a 2014, com base nos registros dos emplacamentos, anunciou que diante da nova realidade, estuda a implantação dos primeiros semáforos na cidade, além de redutores de velocidade, lombadas e melhoria na sinalização.

A apreensão de veículos em 2013 somou 206 ocorrências; neste ano de janeiro a julho, atingiu 149. Aí se incluem falta de habilitação do condutor, licenciamento com prazo vencido e, sobretudo, veículos de leilão, que incluem grande número de motocicletas. As pessoas fazem o arremate por um preço relativamente baixo e em vez de desmontar, seja automóvel ou moto, que é o que determina a lei, passam a utilizá-los. Essa atitude além de completamente ilegal, já que oficialmente os veículos já não existem mais, aumenta a possibilidade de acidentes. Até mesmo crianças utilizam motos de leilão, principalmente nos bairros.

O número de atropelamentos, que em 2013, fez nove vítimas, este ano, no primeiro semestre, fez treze vítimas, 69% a mais. Em 2013, houve 41 acidentes de trânsito com vítimas e 50 sem vítimas. Somente até julho de 2014, os acidentes fizeram 40 vítimas; outros 38 não registraram vítimas.

 

Comentários