CASO EM IBIÚNA – CLONAGEM DO WHATSAPP CAUSA DANOS FINANCEIROS E MORAIS

Acompanhe esta história. É verdadeira e ocorreu hoje (28) em Ibiúna. Poderia acontecer com você ou com algum de seus familiares. Quantos outros golpes às vezes nem chegam à delegacia, pois as vítimas costumam dizer: “Senti vergonha do que aconteceu comigo.”

Provocou muito sofrimento à vítima, além de prejuízo financeiro. Veja passo a passo como cair no golpe de um hacker. Primeiro ele teve acesso ao WhatsSapp de uma profissional que atua no centro da cidade, depois levantou endereços de todas as suas amigas e clientes. A partir daí, começou a dar golpes. Este é apenas um deles.

– Oi tudo bem, está podendo falar? (hacker)

– Posso sim! (vítima)

– Desculpa te atrapalhar queria pedir um favor? (hacker)

– Oi S.! Pede meu amor. (vítima para sua suposta amiga)

– Você tem aplicativo de banco cadastrado no seu celular com PIX? (hacker)

– Tenho.

– Meu aplicativo do banco deu limite diário excedido não estou conseguindo fazer transferência de jeito nenhum.

– Será que você pode fazer uma transferência e te devolvo mais tarde? (hacker)

– Quanto é? (vítima)

– 980$ (hacker)

– S. tenho 300 só. (vítima)

– Já me ajuda muito. (hacker)

– Posso te mandar a chave PIX e você faz a transferência? (hacker)

– Pode (vítima)

gcordeiropix@gmail.com (hacker)

– Essa é a chave PIX do e-mail, tá bom. (hacker)

– Me envia o comprovante quando fizer? (hacker)

– Deu certo? (hacker)

A vítima envia o comprovante.

Por fim, acreditem, o bandido perguntou se a vítima tinha cheque especial.

Em seguida a ficha caiu e o golpe foi percebido. Em seguida abrir BO na delegacia em lágrimas e ir à agência do banco que já não atendia mais, pois havia passado das 14 horas.

CRIME CIBERNÉTICO

Esse tipo de crime – a clonagem do WhatsSapp – tem se tornado cada vez mais recorrente no Brasil, com milhares de casos anuais.

Nele caem também muitas mulheres e idosos. Alguns sofrem grandes prejuízos financeiros e morais, verdadeiros abalos e sentimento de vergonha de ter sido enganado.

Um fator que contribui para o aumento dos casos de golpe é o desconhecimento por parte dos usuários das normas básicas de segurança do WhatsApp. Muitos repassam, sem saber, para criminosos, códigos de autenticação do mensageiro que dá acesso aos chats privados.

Os golpistas cibernéticos usam vários meios para hackear, como mensagens, áudios, fotos, gifs ou vídeos. No meio de uma profusão de mensagens dessa natureza o usuário do WhatsSapp fica vulnerável.

Vitrine online ouviu hoje o delegado titular da Delegacia de Polícia Civil de Ibiúna, Dr. Rafael de Medeiros Martins, com o objetivo de colher orientações que sirvam para alertar e prevenir a população para impedir que sejam vítimas de cibercriminosos ou hackers.

Dr. Rafael faz duas advertências para se prevenir dos atos dos golpistas:

  1. Cuidado para não clicar em mensagens e links recebidos de remetentes desconhecidos pois é a partir desse momento que as pessoas ficam sujeitas ao raqueamento ou clonagem. Ao permitir acesso aos seus dados o hacker vasculha toda a lista dos relacionamentos. A partir desse momento o golpista pode usar todos os relacionamentos da pessoa raqueada para pedir dinheiro [como foi o caso da história narrada acima]. A pessoa abre as portas para a entrada do hacker por ser curiosa ou desatenta.
  2. O que faz o hackeador em seguida é estabelecer contato com as pessoas que estão na lista da pessoa raqueada e começa a agir como se fosse uma pessoa amiga, conhecida, parente [veja acima no diálogo “simpático e cordial” do hacker] E as vítimas, por ficarem comovidas e emocionadas agem de maneira impulsiva e…fazem a transferência do dinheiro, consumando a queda no golpe. Por isso é preciso sempre desconfiar desses intrusos.

“As pessoas devem tomar cuidado e entrar em contato com a suposta amiga ou conhecida ou parente para verificar sobre a veracidade dos fatos e, somente assim, tomar uma atitude, não antes”, adverte o Dr. Rafael.

O próprio WhatsSapp, corrobora as palavras do delegado titular de Polícia Civil de Ibiúna com uma regra fundamental:

  1. “Permita que apenas seus contatos vejam sua foto de perfil. Toque em Configurações – Conta – Privacidade – Foto do perfil e selecione “Meus contatos;
  2. Desconfie das pessoas pedindo dinheiro;
  3. Sempre ligue para a pessoa para confirmar antes de fazer qualquer transferência.”

Carlos Rossini

Carlos Rossini é jornalista, sociólogo, escritor e professor universitário, tendo sido professor de jornalismo por vinte anos. Trabalhou em veículos de comunicação nas funções de repórter, redator, editor, articulista e colaborador, como Folha de S. Paulo, O Estado de S. Paulo, Diário Popular, entre outros. Ao transferir a revista vitrine, versão imprensa, de São Paulo para Ibiúna há alguns anos, iniciou uma nova experiência profissional, dedicando-se ao jornalismo regional, depois de cumprir uma trajetória bem-sucedida na grande imprensa brasileira. Seu primeiro livro A Coragem de Comunicar foi lançado na Bienal do Livro em São Paulo no ano 2000, pela editora Madras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *