Vitrine Online, a melhor informação !

BULEVAR – COMERCIANTES DA ANGELINO FALCI PRETENDEM ENTRAR COM MANDADO DE SEGURANÇA CONTRA FECHAMENTO DA RUA

bulevar

Aparentemente, a prefeitura tem pressa em iniciar um conjunto de obras que prevê a reforma da cobertura e da parte interna do Terminal Rodoviário de Ibiúna e a revitalização do entorno da rodoviária, com a transformação da rua prefeito Angelino Falci – bloqueada ao trânsito de veículos desde terça-feira (5) – em um bulevar.

Dois contêineres para uso dos operários das obras já se encontram no pátio de estacionamento de ônibus ao lado de tapumes que servirão para isolar as áreas de trabalho. Ao que parece, as obras podem começar a qualquer momento.

Mesmo antes de seu início, essa iniciativa do Executivo provocou revolta dos proprietários de lojas que se encontram ao longo da rua. Pegos de surpresa ou sem prévio aviso, e dizendo que já estão sendo prejudicados em seus negócios, foram à prefeitura acompanhados de três vereadores e de uma advogada, na tarde da quinta-feira (7).

A intenção deles era ser recebidos pelo prefeito Fábio Bello e solicitar que a rua fosse desbloqueada a fim de que seus negócios não fossem prejudicados, mas foram recebidos pelo secretário da Indústria e Comércio, Luiz Norberto da Silva; de Obras, Priscila Rossi Ferrer; de Cultura e Turismo, Rafael de Cassia Cerqueira.

bloqueio

Houve um bate-boca que parecia que não ter fim e a temperatura subiu com tal persistência que a secretária de Obras se prontificou a estudar a possibilidade de rever o projeto [que aparentemente está bem elaborado e deverá revitalizar toda aquela área deteriorada da cidade e até mesmo melhorar o comércio naquela via pública]. Por outro lado, o secretário de Cultura prometeu que falaria com o prefeito aventando até mesmo a possibilidade de reabrir a rua, o que não deverá acontecer. Tudo está pronto para que as obras tenham início imediato.

TEMORES DOS COMERCIANTES

O primeiro impacto causado com a surpreendente atitude da prefeitura de, de repente, sem prévio aviso, fechar a rua. Nas discussões, empresários declararam que já tiveram prejuízos nas vendas desde a última terça-feira porque os carros não puderam mais passar ou estacionar em frente às suas lojas. O segundo temor é que eles acreditam que a obra será iniciada, será muito demorada e, especialmente, “poderá ficar inacabada como tantas outras iniciadas pela prefeitura no município, como a ciclovia, o CDHU do Gemima, a Delegacia de Polícia, entre outras. Se isso acontecer, nós vamos quebrar”.

tapumes

conteineres

Mesmo diante desse quadro, o repórter percebeu que, entre os comerciantes, alguns acreditam que será bom, mesmo que o projeto não tenha sido apresentado em sua plenitude a nenhum deles. Assim é normal que tenham tido essa reação: estão lidando com algo desconhecido. E aí está a maior falha da prefeitura, que gerou essa reação adversa.

Vitrine online ouviu alguns comerciantes no sábado e domingo, sobre possíveis reações contra o fechamento da rua. Soube que está correndo uma coleta de assinaturas para um abaixo-assinado para ser anexado a um mandado de segurança a ser entregue ao Ministério Público. Alguns criticaram a falta de apoio por parte da Associação Comercial e Industrial de Ibiúna – ACEI que “não poderia estar fora das conversações e entendimento em um momento como esse”.

Outra situação ainda imprevisível refere-se à reação dos comerciantes que têm suas lojas no interior da rodoviária, alguns dos quais estão ali há mais de trinta anos e que deverão deixar o lugar desimpedido para a reforma do telhado e da parte interna. Trata-se de uma obra de porte para uma construção feita há algumas décadas.

Se a prefeitura repetir a mesma habilidade de relacionamento que teve com os comerciantes da rua Prefeito Angelino Falci, é possível prever que haverá então mais uma situação de conflito. Na verdade, eles representaram [tirando saber o destino dado aos recursos no montante de R$ 500 mil que estavam destinados à reforma da rodoviária no governo anterior] o maior obstáculo à ação da autoridade pública e nada foi feito.

RODOVIÁRIA E BULEVARD

O custo total para execução dos três projetos atinge o montante de R$ 2,390 milhões. Para a reforma da cobertura do terminal rodoviário serão investidos R$ 602.542,22 – o início das obras está previsto para março (já passou) e o prazo de conclusão é de 12 meses. A reforma interna custará  R$ 736.935,83 – na placa desse projeto consta somente o início da obra (março). O maior vulto de investimento será na revitalização do entorno da rodoviária e implantação do bulevar na rua Prefeito Angelino Falci: R$ 1.050.521,95. O prazo de início também é março, mas não há nada escrito sobre o prazo para conclusão da obra. Os recursos são oriundos do Departamento de Apoio às Estâncias Turísticas – Dade, um órgão vinculado à Secretaria Estadual de Turismo. A firma vencedora da concorrência é a Corpav – Transportes e Empreendimentos Ltda – EPP.  (Carlos Rossini)

cicliestas

 

 

 

 

Comentários