Vitrine Online, a melhor informação !

FUNCIONÁRIOS DA VIAÇÃO VELOZ QUE DEIXOU DE OPERAR EM IBIÚNA AGUARDAM POR PAGAMENTO

Os funcionários da Viação Veloz, uma grande parte dos quais ficou desempregada, aguardam, desde domingo (8), a presença do representante dos proprietários da empresa, a fim de receberem seus salários equivalentes a um mês e vinte dias, além de cestas básicas e tíquete refeição.

Até agora, ninguém informou oficialmente quem são os sócios proprietários da empresa, mas informalmente os trabalhadores mencionam nomes de três pessoas, duas de Ibiúna e uma de Cotia.

Os ônibus que a população chamou de “sucatas” e “lixo”, pelos seus estados precários, em número insuficientes, por não cumprirem horários ou deixarem de fazer determinados itinerários, estão recolhidos num amplo terreno cercado por um muro alto e um portão de ferro, na altura do km 73,5 da Rodovia Bunjiro Nakao, no bairro Rio de Una de Baixo, em frente à antiga garagem da extinta Viação Cidade, de propriedade do empresário Flávio Furtado.

Vitrine online ouviu alguns deles hoje (10), nas proximidades onde os ônibus estão recolhidos, e pôde verificar até mesmo o desespero da situação que vivem. Eles tomaram a decisão de retirar as chaves dos ônibus e afirmaram que somente as devolverão quando receberem seus direitos trabalhistas.

São motoristas, pessoal da manutenção, do escritório, que até mesmo esperam uma intervenção da Prefeitura, “já que foi ela que contratou a empresa”. Mesmo que o Executivo não possa ser responsabilizado diretamente pela falta de pagamento “tem a obrigação de apoiar os cidadãos ibiunenses”. A empresa operava por contrato emergencial.

Na rodoviária, ouvimos um dos motoristas que foram contratados pela Viação Raposo Tavares, do Grupo Danúbio, que disse estar “aliviado” porque durante o período em que dirigiu para a Viação Veloz, “os carros que ficaram sem freio três vezes”.

A revista deixa de dar informações sobre esclarecimentos por parte da Viação Veloz por não ter conseguido nenhum contato e também por desconhecê-los. (Carlos Rossini é editor de vitrine online)

  

Comentários