Vitrine Online, a melhor informação !

PREFEITO DE IBIÚNA NÃO CUMPRE PROMESSAS E PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO FAZEM PASSEATA NO CENTRO DA CIDADE

Por considerarem que o prefeito Fábio Bello não cumpriu as promessas feitas durante assembléia realizada em frente ao Paço Municipal no último dia 6, os profissionais da educação de Ibiúna decidiram hoje à noite (16), reunidos no mesmo local, convocar nova assembléia da categoria para esta terça-feira (17), às 18 horas, no mesmo local. A vice-presidente do Conselho Municipal da Educação, professora Maria Claudia Ramalho, fez um  veemente apelo público: ‘Pessoal, tem que comparecer; precisamos nos unir’.

A principal decisão tomada hoje estabeleceu que, se a prefeitura não pagar os professores as gratificações adicionais relativas ao mês de fevereiro até às 14h00 desta terça-feira, poderão até mesmo pôr em votação uma greve, caso haja quórum legal de 30% do total  de 729 servidores da rede municipal de ensino.

O prefeito, que participou da assembléia do dia 6 em frente à prefeitura, entregou um ofício, datado de 13 de março, ao Sindicato dos Servidores Públicos Municipais da Estância Turística de São Roque, Ibiúna e Região. Esse documento estava em mãos da diretora da entidade, Dalva Domingues de Oliveira, e relacionava as providências tomadas pelo prefeito em relação às promessas feitas por ele no dia 6, quando recebeu uma lista de reivindicações da categoria e prometeu atendê-las no prazo de dez dias [expirado hoje]. Nesse ofício, o prefeito afirma que a previsão do pagamento das gratificações adicionais “será para no máximo terça-feira, dia 17 de março”.

Sobre as promessas

Coube à vice-presidente do Conselho Municipal de Educação, professora Maria Cláudia Ramalho, expor item a item as medidas anunciadas pelo prefeito e concluir que não foram atendidas. Segundo avaliou, não foi formada a comissão de estudos do Plano de Carreira do Magistério Municipal; não foi aberta licitação para contratar empresa especializada na elaboração de revisão de Plano de Carreira do Magistério Municipal. Em relação à compra de material escolar [a prefeitura publicou no Imprensa Oficial os procedimentos licitatórios], os professores rejeitaram o propósito da prefeitura é adquirir “kit do aluno”, quando deveria suprir as necessidades com o “kit escolar”, que pode resolver a situação crítica de falta de materiais. Maria Cláudia informou ainda mais um motivo: a maioria dos pais já comprou o material escolar dos seus filhos. A diretora do Sindicato, Dalva Domingues de Oliveira, enfatizou que há um kit de 49 itens e que os servidores “não vão aceitar o kit aluno”.

Os outros dois itens [adequação dos horários de ônibus às necessidades dos servidores da empresa contratada para esse serviço e o pagamento das gratificações adicionais que variam de 5% a 25%, incluindo exclusividade e distância das unidades escolares] também não foram atendidos, de acordo com o relato feito perante cerca de 80 profissionais da educação reunidos em frente ao Paço Municipal.

Apelo à união

A vice-presidente do Conselho Municipal da Educação foi enfática ao fazer um apelo pela união da categoria. “Não adianta ficar reclamando e não participar das ações para resolver os problemas”, afirmou, pedindo que haja um comparecimento maciço na assembleia desta terça-feira.” Pessoal, tem que comparecer!”

Cláudia Maria informou ainda que “as escolas estão caindo e querem abrir mais escolas, falta material de limpeza, papel higiênico e, infelizmente, está faltando também união dos profissionais”.

O presidente do sindicato, Ronaldo Amaro, anunciou que as escolas deverão ser vistoriadas pelo Corpo de Bombeiros a fim de conceder alvará de funcionamento para as escolas, pois estão muito comprometidas. Comentou-se que a Justiça de Ibiúna poderá até mesmo interditar algumas unidades, que oferecem risco à segurança dos estudantes.

Passeata

Por volta das 19 horas de hoje, encerrada a assembleia, os profissionais da educação saíram em passeada pelas ruas centrais de Ibiúna fazendo coro com as palavras de ordem: “Moralização na educação”. Também pediram “Respeito ao professor”.

O vereador Israel de Castro [Zaia Cadeirante], membro da Comissão de Saúde e Educação, que tem na presidência o vereador Jair Marmelo e Pedrão da Água, na vice-presidência, foi o único representante da Câmara Municipal a apoiar o ato público. Zaia participou da passeata e declarou à vitrine online: “A autoridade municipal não deveria deixar esse assunto chegar a esse ponto.”

 

 

 

 

Comentários