Vitrine Online, a melhor informação !

UM LINDO POEMA DE DRUMMOND SOBRE TODOS QUE SENTEM SOLIDÃO E ABANDONO

O grande poeta mineiro Carlos Drumnond de Andrade publicou em 1942 o poema “José” que busca captar o sentimento de solidão e abandono dos moradores na cidade grande e sua falta de esperança e a sensação de estar perdido  na vida, sem saber que caminho tomar. Como os poetas enxergam longe, mantém sua atualização nos dias de hoje, mas não apenas na cidade grande, onde, certamente, existem maior probabilidade de um homem sentir-se só e anônimo, mas também nas pequenas cidades que estão cada vez mais distantes dos bons tempos em que todos se conheciam e eram solidários.

José

E agora, José?
A festa acabou,
a luz apagou,
o povo sumiu,
a noite esfriou,
e agora, José?
e agora, você?
você que é sem nome,
que zomba dos outros,
você que faz versos,
que ama, protesta?
e agora, José?

Está sem mulher,
está sem discurso,
está sem carinho,
já não pode beber,
já não pode fumar,
cuspir já não pode,
a noite esfriou,
o dia não veio,
o bonde não veio,
o riso não veio,
não veio a utopia
e tudo acabou
e tudo fugiu
e tudo mofou,
e agora, José?

E agora, José?
Sua doce palavra,
seu instante de febre,
sua gula e jejum,
sua biblioteca,
sua lavra de ouro,
seu terno de vidro,
sua incoerência,
seu ódio — e agora?

Com a chave na mão
quer abrir a porta,
não existe porta;
quer morrer no mar,
mas o mar secou;
quer ir para Minas,
Minas não há mais.
José, e agora?

Se você gritasse,
se você gemesse,
se você tocasse
a valsa vienense,
se você dormisse,
se você cansasse,
se você morresse…
Mas você não morre,
você é duro, José!

Sozinho no escuro
qual bicho-do-mato,
sem teogonia,
sem parede nua
para se encostar,
sem cavalo preto
que fuja a galope,
você marcha, José!
José, para onde?

Comentários