POLUIÇÃO NO RIO SOROCABA OBRIGA O SAEE A FAZER MUDANÇA NO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA

A represa Itupararanga está se esvaziando de modo contínuo, como temos noticiado, e já perdeu 1/3 do seu volume de água com consequências desastrosas para o sistema de abastecimento para consumo domiciliar, especialmente em Sorocaba, que depende de cerca de 90% das águas do reservatório de cuja extensão 64% se encontram no município de Ibiúna.

Do ponto de vista sistêmico, o baixo nível das águas da represa e a intensificação da poluição por esgoto sem tratamento, agrotóxicos e nutrientes, sua qualidade hídrica está cada vez mais comprometida se refletindo em toda a bacia à qual pertence e nutre.

RIO SOROCABA

A captação do Serviço de Água e Esgoto de Sorocaba – SAEE na represa Itupararanga e da empresa que opera em Votorantim não sofreu até agora mudanças significativas, mas a captação do SAEE no Vitória Régia (Rio Sorocaba) registrou uma pequena alteração de qualidade e houve necessidade de ajuste no tratamento, já que envolve questão de saúde pública.

Em razão dessa constatação, o Comitê de Bacia Hidrográfica Sorocaba e Médio Tietê, reunido hoje (17) de modo remoto, decidiu baixar a vazão do Rio Sorocaba dos atuais 4,5m3 para 3,5m3 e não para 3m3 por segundo como estava inicialmente previsto. Em palavras simples, isto visa a fazer com que não haja ainda menos água no Rio Sorocaba.

Em resumo essa decisão reflete o agravamento da situação da represa e do sistema hídrico do qual faz parte como grande fonte de abastecimento.

É bom não deixar passar em branco que um forte consumidor da massa líquida da Itupararanga é a Votorantim Energia, que produz e comercializa energia hidrelétrica com as águas da represa.

Carlos Rossini

Carlos Rossini é jornalista, sociólogo, escritor e professor universitário, tendo sido professor de jornalismo por vinte anos. Trabalhou em veículos de comunicação nas funções de repórter, redator, editor, articulista e colaborador, como Folha de S. Paulo, O Estado de S. Paulo, Diário Popular, entre outros. Ao transferir a revista vitrine, versão imprensa, de São Paulo para Ibiúna há alguns anos, iniciou uma nova experiência profissional, dedicando-se ao jornalismo regional, depois de cumprir uma trajetória bem-sucedida na grande imprensa brasileira. Seu primeiro livro A Coragem de Comunicar foi lançado na Bienal do Livro em São Paulo no ano 2000, pela editora Madras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *