IBIÚNA – PATRULHA NÁUTICA DA GCM PRENDE DOIS HOMENS NO PARQUE ESTADUAL JURUPARÁ

A Patrulha Ambiental da GCM de Ibiúna prendeu no último sábado (21), por volta das 15h30, dois homens suspeitos de estar caçando ilegalmente no Parque Estadual Jurupará – PEJ.

De acordo com relato do GCM Apolo Rolim, que atuou junto com seu colega Osley nessa operação, ambos receberam apoio da equipe de segurança do PEJ Leonil, Gabriel, Odirlei e Rogério.

Durante patrulhamento náutico na represa da Cachoeira da Fumaça os GCMs avistaram uma embarcação tripulada por dois homens, sendo que a equipe deu ordem para que atracassem na margem, para a fiscalização ambiental de rotina.

“Nada ilícito foi encontrado, porém durante a vistoria no interior da embarcação, foi encontrada pelos GCMs, uma bolsa pequena, contendo 15 munições intactas de calibre .22, e um pio (apito utilizado para imitar o canto de pássaros, e os atraírem para o alcance da mira da arma e facilitar o abate), um bornal de lona com chumbo para carregar cartuchos de caça, e um revólver calibre .22 com cano de 6 polegadas, da marca Colt, municiado com 6 cartuchos íntegros no bolso da blusa de um dos ocupantes.”

Também foi encontrado no interior da embarcação um saco branco que continha 3 redes de pesca, totalizando 60 metros de comprimento, uma tarrafa com aproximadamente 5 metros, e um covo de pescar lambaris.

Ao serem questionados sobre os materiais encontrados, o condutor da embarcação teria dito ser dono das redes, da tarrafa e do covo; já o tripulante teria informado ser o dono da arma, munições e do pio, que teria  herdado de seu falecido avô, e que iria atirar com a arma para realizar um teste.

Devido ao fato de ambos não possuírem nenhuma documentação/autorização para uso dos materiais descritos, receberam voz de prisão, foram conduzidos à Delegacia de Polícia de Ibiúna, onde foi ratificada a prisão em flagrante por porte ilegal de arma, sendo arbitrada fiança, e o material ilegal de pesca foi apreendido, os dois homens irão responder pelos crimes em liberdade. Nenhum animal foi abatido ou capturado”, de acordo com o GCM Apolo.

Carlos Rossini

Carlos Rossini é jornalista, sociólogo, escritor e professor universitário, tendo sido professor de jornalismo por vinte anos. Trabalhou em veículos de comunicação nas funções de repórter, redator, editor, articulista e colaborador, como Folha de S. Paulo, O Estado de S. Paulo, Diário Popular, entre outros. Ao transferir a revista vitrine, versão imprensa, de São Paulo para Ibiúna há alguns anos, iniciou uma nova experiência profissional, dedicando-se ao jornalismo regional, depois de cumprir uma trajetória bem-sucedida na grande imprensa brasileira. Seu primeiro livro A Coragem de Comunicar foi lançado na Bienal do Livro em São Paulo no ano 2000, pela editora Madras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *